1ª Rodada de Diálogos Institucionais entre a Advocacia Pública e o Judiciário

A 1ª Rodada de Diálogos Institucionais entre a Advocacia Pública e o Judiciário vai movimentar o Auditório da PGE-GO dia 8 de julho. Promovido pelo Cejur-PGE-GO, em parceria com a Esmeg, o evento tem a coordenação de Rafael Arruda, procurador-chefe do Centros de Estudos Jurídicos (Cejur-PGE/GO), e Guilherme Sarri, diretor-geral da Escola da Magistratura do Estado de Goiás (Esmeg). O simpósio será aberto pela procuradora-geral do Estado, Juliana Prudente, e Patrícia Carrijo, presidente da Associação dos Magistrados do Estado de Goiás (Asmego).

A primeira palestra, Reputação Institucional e Deferência – Notas para um Prezável Relacionamento entre Advocacia Pública e o Judiciário, será proferida por Valter Shuenquener de Araújo. Professor adjunto de Direito Administrativo na UERJ, instituição onde realizou seu doutorado-sanduíche pela Ruprecht-Karls Universität de Heiderlberg (Alemanha), o palestrante é juiz federal e secretário-geral do Conselho Nacional de Justiça.
Seu currículo traz outras atuações: conselheiro do Conselho Nacional do Ministério Público, por indicação do Supremo Tribunal Federal (2015-2020), juiz auxiliar do STF (2011-2014) e juiz auxiliar do TSE (2015). Araújo também é ex-procurador federal e ex-procurador do Estado do Rio de Janeiro. 

Um dos idealizadores da 1ª Rodada de Dialógos Institucionais entre a Advocacia Pública e o Judiciário, Rafael Arruda é procurador do Estado de Goiás e doutorando em Direito Público pela UERJ. Mestre em Ciências Jurídico-Econômicas pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa – Portugal, Arruda ressalta que a interação com o Judiciário tem o condão promover aprofundamentos teóricos e de ordem prática para problemas comuns, com vistas a otimizar os resultados da prestação jurisdicional: "nada como um bom diálogo, respeitoso e de abertura, para que consigamos aprimorar o funcionamento dos órgãos do sistema de justiça". 

Para Guilherme Sarri, diretor-geral da Escola de Magistratura do Estado de Goiás (Esmeg), esses diálogos, que tem como público-alvo juízes e procuradores, são de importantes e necessário. “A demanda de litígios é alta e envolve várias áreas, de professores a medicamentos e militares, sendo o Estado o maior litigante. Por isso o judiciário deve se empenhar, participar destes encontros para trocar ideias, unir prática a estudos e teorias para entender conflitos e encontrar as melhores soluções para os problemas que afligem a sociedade", destaca.

Procurador chefe do CEJUR/PGE-GO: Rafael Arruda

     Diretor da ESMEG: Juiz Guilherme Sarri  

 

Utilizamos cookies essenciais e tecnologicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.